Data da notícia: 04/05/2020

CFO apresenta Manual de Biossegurança e Desinfecção de Materiais de Moldagem e Moldes

O “Manual de Biossegurança e Desinfecção de Materiais de Moldagem e Moldes para Profissionais de Prótese Dentária” é lançado com apoio institucional do Conselho Federal de Odontologia (CFO) e apoio científico do Instituto Latino Americano de Pesquisa e Ensino Odontológico (ILAPEO) e do International Team for Implantology (ITI). O objetivo é aperfeiçoar os fluxos de trabalho protético frente à pandemia do novo Coronavírus (COVID-19), com foco na biossegurança e nos riscos biológicos que envolvem o manejo de Cirurgiões-Dentistas, Técnicos em Prótese Dentária, pacientes e, principalmente, na relação clínica/laboratorial.

As orientações abrangem cuidados essenciais com instrumentais e equipamentos e, sobretudo, no controle da limpeza e desinfecção dos moldes que são encaminhados para laboratórios. Esse processo inclui os níveis de desinfecção – alto, intermediário, baixo –, bem como as diferentes técnicas de remoção dos microorganismos patogênicos dos objetos. Como os trabalhos que vêm dos laboratórios serão provados em boca e retornarão aos laboratórios, o manual contribui para prevenir a contaminação cruzada em cada uma das etapas.

Para o Presidente do CFO, Juliano do Vale, a biossegurança é fundamental na prática odontológica, como responsabilidade do Cirurgião-Dentista e da equipe de prótese. “A infecção cruzada deve ser controlada em caráter permanente para que os riscos biológicos sejam reduzidos. Por isso, métodos de desinfecção e esterilização de equipamentos, instrumentais e materiais odontológicos não podem ser negligenciados para evitar a disseminação de patógenos, considerando a pandemia do vírus”, completou.

O passo a passo do manual de biossegurança e desinfecção demonstra que materiais e processos de moldagem convencional representam maiores riscos biológicos, o que fundamenta as técnicas de desinfecção de moldes – de acordo com as características do material de moldagem, do agente químico desinfetante e da habilidade do Cirurgião-Dentista e do Técnico em Prótese Dentária. Além disso, o documento destaca que o fluxo digital completo pode ser um aliado no controle da biossegurança. Outro fator de relevância é a comunicação entre o Cirurgião-Dentista e o Técnico em Prótese Dentária, que deve ser clara e objetiva no âmbito da biossegurança para evitar a contaminação cruzada entre profissionais. 

clique aqui e acesse o manual 

 

Fonte CFO


Autor:
Fonte:


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

- CRO-MS recebe cirurgiões-dentistas candidatos a vereador
- Delegacia do CRO-MS em Dourados suspende atendimento presencial
- CRO-MS realiza entrega de Carteira Profissional
- CRO-MS recebe visita de ex-diretores do Conselho
- CRO-MS busca forma de ampliar fluoretação das águas de abastecimento público
- CRO-MS realiza LIVE sobre Controle de aerossóis com a utilização de pontas Low Spray
- CRO-MS realiza webinar nesta quinta-feira
- CRO-MS informa que não terá expediente no dia 7 de setembro
- Anuidade 2020
- CRO-MS realiza reunião pleária de agosto


CONSELHO FEDERAL DE ODONTOLOGIA
UNIVERSIDADES PARCEIRAS


HOME | CONSELHO | DIRETORIA | PROFISSIONAIS | RECADASTRAMENTO | NOTICIAS | OUVIDORIA | MAPA DO SITE


Horário de Atendimento: De Segunda-feira à Sexta-feira das 08:00h às 17:00h
Rua Desembargador Leão Neto do Carmo, 1.812 • Jd. Veraneio • CEP 79037-100 • (Pq. dos Poderes) • FONE: (67) 3321-0149 • Campo Grande • MS